Posts Tagged 'wii'

Sugestões para um Verão digital.

isaac_verao

Sou uma criatura do frio. Numa outra encarnação, daquelas publicitadas por cavalheiros de crenças sensacionalistas, terei vivido enterrado em gelo e neve. Por essa razão, não louvo as maravilhas do Verão a cada oportunidade. Contudo, por viver num canto solarengo da Europa, lá tenho de suportar a euforia inexplicável, típica da época. As boas notícias? Nesta altura, meio mundo está de férias. Melhor, a probabilidade do fiel leitor ser um dos felizardos, sem afazeres, a caminho do descanso tão merecido, é bastante alta. Ora, por essa razão, invoco o meu lado de servente público, apresentando uma lista de títulos apetecíveis para este período. São cinco obras mais que competentes, disponíveis para as máquinas mais relevantes da nossa praça. Democracia digital em acção, portanto. Por isso, pegue num refresco e considere as sugestões em baixo… enquanto tento arrefecer a pele. Hmm…

Continue a ler ‘Sugestões para um Verão digital.’

Punch-Out!! – A Luva Branca da Nintendo.

punchout_wii_analise

Era uma vez um mundo encantado, onde o sol brilhava, todos eram felizes, e as Arcadas exerciam o controlo hegemónico do mercado do entretenimento digital. Nessa época, marcada por renovações de fé nas bases conceptuais dos videojogos, surgiram inúmeras lendas; cavaleiros amedrontados, canalizadores que esmagavam pequenas tartarugas e figuras geométricas com tendências suicidas. Ora, nesse prato de verdura fresca e saudável, estava uma beterraba rebelde. Talvez por mostrar um espectro de cor mais berrante, ou simplesmente por ser diferente, Punch-Out!! ganhou o coração dos adeptos do jogo imediato, da moeda fácil e reflexos rápidos. A meio da década de 80, a Nintendo havia imaginado uma versão ficcional dum desporto de combate, deixando adivinhar um caminho, uma ideologia vincada que levaria a empresa ao estatuto de fazedora de sonhos. A simplicidade da obra serviu de eco; um aviso à navegação. A indústria entendeu que qualquer conceito, por mais arcaico e primário, pode ser aproveitado numa experiência divertida e aditiva. Depois de várias entradas no catálogo da NES e Super Nintendo, Punch-Out!! renasce na Wii, com nova pintura, mas embebido no mesmo espírito vencedor. A premissa para esta análise está, portanto, identificada – poderá Punch-Out!! satisfazer os sonhadores do antigamente, enquanto enfeitiça os novos candidatos ao título?

Continue a ler ‘Punch-Out!! – A Luva Branca da Nintendo.’

Chrysler Classic Racing – Terror no asfalto.

chrysler_banner

Vivemos numa era conturbada. O mundo luta diariamente contra os feitos do capitalismo, chorando a perda de milhares de postos de trabalho. Por consequência, a indústria automóvel começa a regurgitar milhões de coroas investidas; o caos é extensível a todos os fabricantes. Ora, sem grande mapa até ao sucesso certo, a norte-americana Chrysler tentou conquistar uma nova geração de possíveis clientes – a criançada enfeitiçada pela magia dos videojogos. E porque não? Num ponto de vista meramente comercial, a construtora investiu num esforço digno (mas trágico) para exibir as suas carroçarias do passado a uma nova colheita de entusiastas dos motores. Sendo justo, afirmo que essa premissa, pelo menos, foi cumprida. Chrysler Classic Racing traz grande parte do portefólio de construção da marca até à máquina branca da Nintendo. Ao leitor mais fanático pelas correrias no asfalto doutro tempo, uma palavra de consolo – conclua o seu interesse pela obra no final deste parágrafo. Tendo passado um par de horas na tortura do jogo em teste, oferecido pela Zoo, aviso que as palavras mais tolerantes ficarão por aqui. Chrysler Classic Racing é um desastre tragicómico, em todas as vertentes.

Continue a ler ‘Chrysler Classic Racing – Terror no asfalto.’

E3 2009 – Nintendo – ‘Ave Mario’.

e3_2009_banner_mario

Cammie Dunaway é mestra na arte do riso. Por momentos, pensei estar enamorado com a senhora. Segundo os livros, quando vemos a cara duma pessoa em todos os cantos da nossa lide, o coração bombeia sangue em força. Mas não. Cammie ganhou o estatuto de celebridade da indústria na afamada conferência de 2008. A partir dai, a foto da menina entupiu blogues e encheu fóruns de discussão. A líder de marketing da Nintendo voltou a ser a cara bonita (?) desta edição da E3 ao servir milhões de adeptos da empresa de Quioto. Desta vez, a palestra arrancou a atenção mundial logo nos primeiros minutos. Para além da insuficiência oftalmológica dos consumidores seniores da Wii e DS, que encheram o ecrã gigante de Los Angeles com momentos de felicidade digital, a Nintendo conseguiu focar a lente comercial na fatia mais insatisfeita da geração corrente – os amantes do passado da Nintendo. Numa arena pintada com todas as cores da Nintendo dos nossos dias, Cammie anunciou New Super Mario Bros. Wii com um sorriso de orelha a orelha. Fiquei feliz por ver o génio de Miyamoto, e da sua equipa criativa, explorado numa aposta paradoxal; New Super Mario Bros. Wii combinará a simplicidade mágica e eufórica do original Nintendo DS com o espírito multijogador da sucessora da GameCube. Quando quatro executivos da Nintendo entraram em cena, para demonstrar os méritos da obra, senti-me bem. É realmente emocionante ver um ícone da indústria ser tratado com tanta atenção e devoção. Com quatro participantes nas planícies horizontais de Mario, esta aposta pode cair no charco público da Wii; é nostálgico e inovador para os adeptos mais antigos e verdadeiramente novo para o consumidor base da consola. Gostei, pronto.

Continue a ler ‘E3 2009 – Nintendo – ‘Ave Mario’.’

O fado luso pela ‘voz’ da GameInvest.

O mercado de videojogos em Portugal é, essencialmente, volátil. No contexto Europeu, seremos dos poucos países, senão o único, em que a Sony tem um quase ofegante monopólio sobre os restantes candidatos a pedintes.  Pior, a paleta de tons e gostos é tristemente reduzida. Considero até que os dois grandes lobbys acidentais, jogadores casuais e os com calos na matéria, não suportam investimento alheio á marca Playstation. Vá-se lá saber porquê. Para o registo; não sou sequer pretendente a sociólogo, portanto rejeito juízos de valor baratos e incoerentes.
O quadro de desenvolvimento tem, contudo, outra cara, em Portugal. Começam a nascer produtoras interessantes, com argumentos intelectuais e monetários de relevo. Uma dessas empresas é a GameInvest, presidida por Paulo Gomes, personagem em destaque no header deste texto. Em discurso directo, no seu blogue pessoal hospedado no sítio da revista Edge, Paulo assume um discurso interessante, mas ambíguo. Se a ambição patente no objectivo nem nacional, nem Europeu, mas mundial (!), fica bem no cartaz de apresentação, a insistência no mercado de Pop Games (expressão utilizada pelo próprio) cai um pouco na monotonia instalada. Aliás, olhando para o catálogo da GameInvest, títulos como Sarah’s Emergency Room (Wii, Xbox 360) ou Sudoku for Kids (Nintendo DS) confirmam a filosofia da companhia. Como observador quase diplomado, arrisco perguntar: será esta a melhor forma de explorar as lincenças, quase divinas nos dias que correm, das consolas da Microsoft e Nintendo?
Ironia máxima: a GameInvest foge da facilidade, leia-se Playstation, na altura do investimento real. Ventos contrários, mas com cheiros de esperança, portanto.
Independentemente do successo da GameInvest, e outras companhias com projectos semelhantes, uma coisa é mais que certa: o estado de sítio da indústria dos videojogos tem têndencia a evoluir, em Portugal.
Filosofias de desenvolvimento á parte, só não quero assistir a uma inauguração populista de um ‘grande centro de produção de videojogos’, por obra de qualquer governo, daqui a dez anos. Isso não.

“Ed” Touchdown e respectivo sabre.

Há malucos para tudo. Pior (ou melhor, em função da sensibilidade do leitor), esses adeptos do extraordinário têm tempo e fundos para esbanjar na maluquice. Pronto, admito, a minha antiquíssima veia otaku obriga-me a quase invejar este senhor. Ed Palumbo, norte-americano e fã incondicional de Travis Touchdown, carismática personagem do brilhante No More Heroes que encapa este humilde blogue (faça favor de olhar para cima!), concebeu um fato cosplay digno de registo. Mais, e tente conter o espanto, o fã da Nintendo ostenta um sabre de luz exactamente igual ao presente na obra de Goichi Suda para a Wii. O feito deu-se por altura do Halloween, no ano passado, mas só agora tropecei no trabalho de Mr. Ed.

Com cheiro a mofo digital – as fotos já correram a rede á muito – a pose ainda causa impressão junto dos acólitos da Grasshopper:

(clique na imagem para mais informação).

Caro leitor, a peça de culto não se encontra à venda. Lamento.

Aqui há talento.

Ainda bem que Shinji Mikami teve coragem suficiente para abandonar a Capcom, numa altura em que os senhores mais snob da companhia, afiavam lâminas contra a mente por trás de Resident Evil.

A não ter acontecido esse acto depravado, de alguem extremamente confiante em si próprio, Mikami nunca teria fundado a Platinum Games, recém-nascida que recentemente uniu forças com a Sega para a publicação de duas obras muito prometedoras.

Falo de MadWorld, com Shigenori Nishikawa á cabeça, e de Bayonetta, liderado por Hideki Kamiya (responsável por Viewtiful joe e Devil May Cry).

Mad World, projectado para a Wii, será um título de acção que tirará partido do Wiimote para rasgar carne e pele em dois. Tudo isto condimentado com um estilo muito Frank Miller meets No More Heroes.

Bayonetta, a ser descoberto na Playstation 3 e Xbox 360, vale apenas pelos nomes associados ao projecto, mas com a premissa de ser um Bullet Witch com bom gosto e personalidade, as expectativas sobem considerávelmente. Confesso a esperança inocente de ver estes dois jogos aparecerem como rosas no meio da gravilha, muito homogénea, em que a industria vem assentando.

Endless Ocean, pérola perdida.

O ano de 2007 foi cheio em títulos de qualidade. Contudo, a grande maioria dos jogos com estampa de candidato a melhor do ano, assentou bases em fórmulas de sucesso pouco inovadoras e com garantias nas tabelas de vendas. Infelizmente, a margem de manobra para arriscar no desenvolvimento de jogos menos mainstream por parte das grandes produtoras, é cada vez menor. Portanto, a chegada à Europa de Endless Ocean, numa época em que Halo 3 e Call Of Duty 4 monopolizavam (e ainda monopolizam) o interesse dos jogadores, justifica este tributo.
Originalmente, Endless Ocean foi projectado para a Playstation 2 pela Arika, companhia que havia criado a série Everblue para a máquina da Sony. Mas acabou por ser a Nintendo, provavelmente com um orçamento bem mais interessante, que acabou por garantir que o jogo fosse apresentado como reforço do plantel da Wii.

Continue a ler ‘Endless Ocean, pérola perdida.’

(Guia) Importação, explicações e conceitos básicos.

Para lançar o Now Loading em beleza, decidi postar um guia básico referente a importação de videojogos e conceitos aderentes.
Se o leitor encontrar alguma incoerência na informação listada em baixo, faça o favor de utilizar a caixa de comentários para se queixar. É que depois da minha referência ao comentador desportivo Rui Santos, no post anterior, temo pela minha integridade física e ando com medo da própria sombra. Huhhh…

Continue a ler ‘(Guia) Importação, explicações e conceitos básicos.’


Destaques

Xbox Live

Pub

Siga-me no Twitter (Clique)

visitor stats

Creative Commons License